Como você escolhe seu (sua) parceiro (a)?

Você é uma daquelas pessoas que está sempre atraindo o mesmo tipo de relacionamentos? Muda o (a) parceiro (a), mas o modo como você é tratado (a) é sempre da mesma forma? Por exemplo, atrai sempre pessoas que o (a) abandonam ou que são agressivas?

Qual foi o motivo que fez você se unir com a pessoa com quem convive? Talvez responda que foi por diversas características que são importantes para você, mas saiba que essas respostas são apenas aquela a que você tem acesso pelo seu consciente. Se você acredita que a escolha de seu (sua) parceiro (a) é feita de maneira consciente, e que você sabe exatamente porque o (a) atraiu, saiba que provavelmente essa não é a resposta correta!

As motivações que levam as pessoas a relacionamentos, em geral, são conscientes. A mente consciente influencia uma parcela muito pequena de nossas decisões, emoções e ações. Para ser mais precisa, a mente consciente é responsável por apenas 5%, deixando os 95% a cargo da mente inconsciente. Ou seja, quem escolhe o (a) parceiro (a) é seu inconsciente!

É importante aqui definir o que é inconsciente: lugar de nossa psique que guarda tudo aquilo que não queremos lembrar. No inconsciente, ficam os conteúdos que alteram e influenciam o comportamento, tudo que é considerado agressivo à consciência. Tais lembranças são reprimidas no inconsciente como forma de defesa e censura interna. Pode-se dizer que o inconsciente é semelhante a um porão onde se guarda tudo que não queremos ver e onde há bem mais coisas que imaginamos. É o lugar de despejo e que nem sempre se limpa. Ou seja, as imagens, pensamentos e ideias esquecidas não deixaram de existir, apenas foram reprimidas no inconsciente.

Sim, seu inconsciente escolhe seu (sua) parceiro (a) a dedo! E todas as pessoas tendem a padrões repetitivos de relacionamentos. No relacionamento, o aspecto repetitivo da escolha é impressionantemente literal, como por exemplo, quando uma mulher cuja infância foi prejudicada por um pai alcoólatra acaba casando com um alcoólatra, repetindo pela segunda vez o padrão. Ou então, um homem cuja infância foi marcada por sua mãe com problemas cardíacos pode se unir a uma mulher com um problema semelhante. Outro exemplo é a menina que teve seu pai ausente durante sua infância e se casa com um homem igualmente ausente.

Um caso interessante que atendi foi de uma mulher com a seguinte queixa: só atraía homens casados! Não querendo mais esse tipo de relacionamento, resolveu fazer análise para buscar a origem dessa repetição de padrão. Durante o processo lembrou que quando criança seu pai teve um caso extraconjugal, e sua mãe se separou ao descobrir, trazendo muito sofrimento a todos. Quando criança, registrou que a mulher com quem seu pai teve um caso foi a responsável pelo seu sofrimento, reprimindo isso no inconsciente. Mas seu inconsciente fez a situação se repetir quando adulta, ao atrair homens casados, e destruir outros casamentos, como fizeram com ela quando criança. Ao se lembrar desse fato que estava esquecido e reprimido por muitos anos, entendeu que a sua repetição de padrão se dava por uma tentativa inconsciente de reparar o que quando criança não tinha estrutura emocional para lidar na época dos fatos.

A repetição de padrão é identificada pelo sentimento conhecido que é gerado e, não necessariamente, pela mesma situação original. Isso ocorre porque o inconsciente tende a repetir o que conhece, e como não se atualiza sozinho, faz-se necessário o processo de autoconhecimento, que se dá pela análise.

Mas por qual motivo o inconsciente faz com que vivenciamos novamente situações das quais no causaram tanto sofrimento? Exatamente para que, agora adultos, consigamos confrontar com tais situações e possamos nos libertar do que não conseguíamos quando crianças. Ao revivermos os mesmos sentimentos gerados pela repetição de padrão, podemos ter a oportunidade de entrarmos em contato com conteúdos reprimidos e que nos fizeram sofrer, para assim nos libertarmos. Ou seja, a repetição de padrão é consequência de conflitos inconscientes reprimidos.

Pense nos problemas que enfrenta em seu relacionamento/casamento. Existe algum padrão que está se repetindo? Quais são eles? Você já os relacionou com as experiências que viveu durante sua infância? Será que os conflitos atuais não são gerados por situações que aconteceram nos seus primeiros anos de vida?

Se você perceber um padrão repetitivo não se desespere. Se não conseguir resolver sozinho (a), pois nem sempre conseguimos acessar conteúdos reprimidos no inconsciente, agende uma sessão de ThetaHealing®, e transforme essa realidade.

Fonte: STUM

*ThetaHealing Institute of Knowledge® e Think®: trademarks of Nature Path Inc

**ThetaHealing® and ThetaHealer® are registered trademarks of THInK at http://www.thetahealing.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s