Ansiedade

Muitas vezes pensamos que a ansiedade é um estado no qual nunca deveríamos estar e argumentamos com frases como “sentir ansiedade é para os fracos”, “posso ficar louco por ser ansioso”, “os outros notarão se estou ansioso e pensarão mal de mim”, etc.

Tudo geralmente começa com alguma situação problemática na nossa vida que presume uma ameaça. Ao interpretá-la desse modo, inicia-se uma série de mecanismos fisiológicos destinados a fugir da ameaça ou lutar contra ela. Trata-se da famosa resposta da luta/fuga.

O problema é que além desse problema primário, quase sempre também existe um secundário: ficamos ansiosos porque estamos ansiosos, é como se nosso próprio medo nos desse medo, e é então que ficamos bloqueados num círculo vicioso do qual é difícil escapar.

Por que tememos a ansiedade?

Todos os medos sem fundamento procedem das já conhecidas crenças irracionais, verdades absolutistas e exageradas que foram postas nas nossas cabeças ao longo da nossa vida e que tornamos nossas.

Portanto, com o medo da ansiedade não ia ser diferente. Disseram-nos coisas como que “devemos ser fortes”, “a ansiedade pode matar ou deixar você louco”, “as pessoas inteligentes e fortes não ficam ansiosas”, “ser ansioso afasta você dos outros”.

Por sorte, essas crenças não são reais. A ansiedade é uma emoção básica e primária: todos os animais a sentem pelo menos alguma vez na vida. Além disso, foi graças a ela que sobrevivemos como espécie e como indivíduos.

A ansiedade não é ruim na medida certa e no momento oportuno. De fato, pensar assim é o que muitas vezes a transforma num demônio descontrolado. Não mata, nos salva a vida e também não nos torna menos fortes ou mais vulneráveis, pelo contrário, nos torna humanos.

Abraçando a ansiedade

Se queremos ser menos ansiosos, o primeiro passo é não querer ser menos ansiosos.

Ou seja, exigimos demais de nós mesmos para não sermos pessoas ansiosas – entendendo exigir como não tolerar nem um pingo de ansiedade – e no final ficamos mais ansiosos. Teremos a sensação de que não cumprimos nossas expectativas que, por outro lado, são poucos realistas.

O exercício mental que temos que fazer é mudar a exigência pela preferência. Ou seja, tolerar que como humanos que somos, muita vezes em nossas vidas vamos sentir ansiedade e isso não é ruim nem bom, simplesmente normal.

Por outro lado, é conveniente deixar de considerar a ansiedade como uma emoção horrível e insuportável. É verdade que os sintomas fisiológicos da ansiedade podem ser muito irritantes e desagradáveis, mas também é irritante e desagradável um dia de muito calor, ter febre ou uma dor de cabeça.

O último ponto é a aceitação incondicional de si mesmo como pessoa imperfeita. Ser ansioso não significa nada mais que ser ansioso, e não é preciso dar mais voltas. Não quer dizer que somos fracos, nem doentes, nem inferiores a ninguém.

Portanto, encare a ansiedade nos olhos, deixe que venha a si, sinta-a, abrace-a, diga que é um pouco pesada, mas que não lhe cai mal. Apenas quando você fizer tudo isso poderá se livrar dela.

 

Fonte: A mente é maravilhosa

*ThetaHealing Institute of Knowledge® e Think®: trademarks of Nature Path Inc

**ThetaHealing® and ThetaHealer® are registered trademarks of THInK at http://www.thetahealing.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s