Somatização e Retroflexão

Durante a terapia, Ana se queixava de muitas dores físicas. Sentia dores de cabeça freqüentes e intensas que apareciam de repente, muito cansaço, dores de garganta e tonturas ocasionais. Toda a sua angústia estava focada no seu físico, a principal causa do seu desconforto emocional. Seus pensamentos e preocupações giravam em torno de sua saúde e por isso consultava o seu médico muitas vezes.

Em uma das visitas, o terapeuta pediu para ela fechar os olhos e se concentrar nas sensações do seu corpo. Ela foi guiada por diferentes partes do corpo, até chegar no rosto. Naquele momento, Ana percebeu que seu rosto estava tenso e sua mandíbula bem fechada. O terapeuta pediu para ela exagerar o gesto e mantê-lo por um tempo. Ana fechou os dentes com força e, depois de um tempo, começou a sentir uma dor muito semelhante à da enxaqueca. Depois de relaxar a mandíbula, ele pediu para ela repetir o gesto, mas desta vez, mostrando os dentes e fazendo movimento. O terapeuta perguntou: “O que a sua boca pede pra você fazer?” E Ana respondeu sem pensar muito “Morder…” Então ele perguntou: “O quê ou quem você quer morder?”

Quando você não fala, o corpo sente. Quando não há consciência clara da emoção, ela é expressa através do corpo. A dessensibilização é um bloqueio que nos impede de ser conscientes de nossas necessidades emocionais. Na maioria das vezes que essas necessidades não alcançam a consciência, o corpo é cobrado por causa da energia mobilizada pela necessidade emocional. O exemplo mais claro que podemos citar é a expressão emocional da raiva. Ana sentia raiva sempre que seu chefe lhe pedia para fazer uma tarefa que considerava desleal ou excessiva em relação à prazos. A saída adequada para essa raiva é estabelecer um limite, ou seja, simplesmente dizer ao seu chefe coisas como: “Acredito que não posso atender seu pedido até essa data”, “Vou fazer um esforço, mas eu já estou trabalhando no limite e você precisa contratar mais pessoas”, etc. Por razões relacionadas com a sua história biográfica, Ana não poderia expressar ou sentir claramente que estava com raiva. Ela aprendeu que devia se sentir continuamente grata ao avô que a criou, e que não é permitido mostrar qualquer raiva ou insatisfação. Dessa forma, foi depositado em seu corpo uma pegada biológica de raiva: os braços e os ombros tensos, sua mandíbula fechada, etc.

Na Terapia ThetaHealing o processo pelo qual a energia usada para expressar certa necessidade emocional é mobilizada sem emoção, podendo se tornar consciente. Nestes casos, as pessoas geralmente caem em processos como: “faço comigo o que eu não posso fazer à minha volta”, ou seja, a energia mobilizada volta contra si mesmo. Esta forma de bloqueio emocional pode ser a fonte de sintomas muito diferentes: desde pacientes como Ana, que carrega uma tensão muscular psicossomática, ataques de ansiedade e comportamentos como roer as unhas, até pacientes em um nível mais cognitivo que acabam se enchendo de culpa porque não conseguem expressar com clareza a raiva que sentem no momento.

 

Fonte: Psiconlinews

*ThetaHealing Institute of Knowledge® e Think®: trademarks of Nature Path Inc

**ThetaHealing® and ThetaHealer® are registered trademarks of THInK at http://www.thetahealing.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s